Academic journal article Romance Notes

O Cancionero Popular Tradicional Do Norte De Portugal E Da Galiza

Academic journal article Romance Notes

O Cancionero Popular Tradicional Do Norte De Portugal E Da Galiza

Article excerpt

OS cancioneiros liricos do Norte de Portugal e da Galiza sao, em larga medida, um cancioneiro comum. Esta afirmacao nao nega a especificidade do cancioneiro de cada pais ou de cada regiao. Ha caracteristicas que individualizam cada um dos cancioneiros, mas tambem ha semelhancas evidentes, tanto na forma como no conteudo. A proximidade geografica, as relacoes de diverso tipo e a separacao politica, linguistica e cultural entre Portugal e a Galiza desencadearam encontros e desencontros que criaram um cancioneiro a que poderemos chamar, evocando a escola trovadoresca medieval, galego-portugues.

Partindo destes pressupostos historico-culturais, procuraremos comparar as principais linhas estruturais e formais dos cancioneiros do Norte de Portugal e da Galiza. Ao compararmos poemas que circulam ou circularam nesta area geocultural, estaremos em parte a reflectir sobre o modo como o cancioneiro funciona e em parte a equacionar as visoes do mundo das comunidades que criam os textos e, ao mesmo tempo, sao moldadas por eles.

Varios estudiosos, como Teofilo Braga, Adolfo Coelho, Jose Leite de Vasconcelos, Fernando de Castro Pires de Lima ou Fermin BouzaBrey, aproximaram ja os cancioneiros da tradicao oral galega e do Norte de Portugal. Mais recentemente, no artigo "Sobre a tradicion comun do cancioneiro popular moderno de Galicia e do Norte de Portugal" (1996), Domingo Blanco acrescentou elementos importantes a perspectiva comparativa de trabalhos que, no seu conjunto, identificam mais de cem quadras galegas e portuguesas em que sao evidentes afinidades tematicas, semanticas e lexicais, mas tambem diferencas as vezes subtis e profundas.

Partiremos dessas contribuicoes e desses quadros de variantes, e, na medida do possivel, procuraremos confrontar versoes de um mesmo texto arquetipico. As variantes garantem a vitalidade do cancioneiro popular, a sua actualizacao e adaptacao ao momento e ao meio. A comutacao, propria do sistema de variantes de qualquer genero da literatura oral, e mais intensa na passagem do texto a outra lingua e a outra cultura. Compreende-se: a variacao, cujas principais particularidades veremos mais a frente numa tentativa de tipologia de variantes, obedece a condicionamentos de ordem geografica, social e cultural. Na adaptacao ou recriacao de uma quadra, mas tambem noutras formas do cancioneiro, entram factores eticos, esteticos e linguisticos que sao tao importantes quanto a memoria intertextual, que tende a conservar a identidade do texto mais antigo (o que nao obsta a que, muitas vezes, o interprete-autor nao possa realizar uma transformacao conscientemente criativa).

A natureza provisoria da quadra oral, constantemente reformulada e actualizada, inviabiliza quase sempre a determinacao exacta do primeiro texto. Antes de se operar o processo de diferenciacao, ha uma quadra inaugural, autoral, que podera fecundar um numero indeterminado e teoricamente ilimitado de textos. A volubilidade da transmissao oral conduz a uma cadeia de variantes cuja graduacao nao e possivel fixar.

Notamos esta evidencia porque queremos deixar bem claro que este nao e um trabalho de arqueologia textual. Nao vamos definir a genealogia de quadras pertencentes aos cancioneiros galego e portugues (e, muitas vezes, nao so), nem propor a anterioridade de umas versoes em relacao a outras. No cancioneiro, a transformacao constante de uma quadra faz com que a reconstrucao do texto original seja praticamente sempre hipotetica e, mesmo, ilusoria. Impoe-se-nos aqui a sugestiva imagem do palimpsesto, patente em varias reflexoes sobre a intertextualidade, ligada a possibilidade de descobrirmos, subjacentes a um certo texto, inscricoes anteriores ja desbotadas mas ainda reconheciveis.

Interessa-nos antes ver como e que, no essencial, uma quadra vive e se transforma em versoes, indiferente tanto a questoes de teoria do texto ou da cultura (paraliteratura, literatura ou cultura popular) como a divisoes geograficas e politicas. …

Search by... Author
Show... All Results Primary Sources Peer-reviewed

Oops!

An unknown error has occurred. Please click the button below to reload the page. If the problem persists, please try again in a little while.